Ártico ameaçado

 

Onde havia gelo,

imagen

agora só há rochas (kongsfjorden – Fiorde do Rei)

imagen

Tal como confirmam as imagens de satélite da Agência Espacial Europeia, que começaram a ser recolhidas em 1979, o Oceano Ártico está a ficar livre de gelo. As plataformas de gelo do Ártico diminuíram 42% entre 2004 e 2008, e estão a derreter tão depressa que os cientistas pensam que o oceano pode perder a maior parte da sua cobertura gelada durante o Verão, já daqui a trinta anos . Em Setembro de 2007 foi registado o maior degelo do Oceano Ártico , o manto branco cobria uma área de 4,1 milhões de quilómetros quadrados, o que permitiu, pela primeira vez, a abertura à navegação da Passagem do Noroeste (ligação do estreito de Davis ao estreito de Bering, entre os oceanos Atlântico e Pacífico) . Actualmente o manto branco cobre 5,1 milhões de quilómetros quadrados de oceano, metade da área da Europa. A grande preocupação dos cientistas é que a maior parte deste gelo é recente, e por isso pode derreter mais depressa.

Do degelo à exploração vai um passo.

No Verão de 2020, segundo as previsões mais pessimistas, navegar-se-á do Oceano Pacífico para o Atlântico através da passagem do Noroeste sem quebra–gelos.

Estima-se que 90 milhões de barris de petróleo e 44 milhões de barris de gás natural possam ser explorados na região polar.

Uma redução de 70% das emissões de gases com efeito de estufa, durante este século, bastaria para salvar os gelos do Ártico e evitar as consequências mais desastrosas das alterações climáticas, segundo um estudo científico publicado na revista “ GeophysiIcal Research Letters”.

Jornal Expresso de 28/11/2009

This entry was posted in Alterações climáticas and tagged , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Ártico ameaçado

  1. pt.duarte2 says:

    As prioridades da humanidade deveriam passar para além dos lucros e extender-se às soluções “verdes” que permitiriam uma diminuição dos efeitos globais que já se notam, nomeadamente a nível do degelo no Ártico, uma vez que é possível conciliar ambas as perspectivas numa solução mais ecológica e economicamente viável.

Leave a Reply